uk flag

  COZINHALTERNATIVA  

tinymce.init({ selector: "textarea", formats: { bold: {inline: 'b'}, italic: {inline: 'i'} }, valid_elements: "b,i,b/strong,i/em" toolbar: "bold italic underline" });
cozinhAlternativa
Receitas veganas • Culinária simples

Vegetarianismo: por que escolhi?

A fim de saber mais sobre a escolha de ser vegetariana estrita? Vem que eu te conto!

 

Meu passado me condena

Você já se imaginou sem comer carne ou derivados de leite?

Há exatos 3 anos eu não poderia sonhar com essa hipótese. Vamos aos fatos: Nasci e fui criada no Sul do Brasil onde a carne é entrada e prato principal; presente no café, almoço e jantar. Durante minha infância e adolescência se eu não tivesse um bife no meu prato a tristeza batia. Os melhores momentos em família e com os amigos eram em volta de um churrasco na brasa. Lembro de questionar muitas coisas naquela época, mas nunca o consumo excessivo de carne. Aprendi cedo e rápido a regra de ouro para qualquer ser que cresce perto do campo: não pode ter pena do bichinho; ele é pra comer! Em cada momento em que sentia pena eu me consolava com essa explicação, até que naturalizei. Tudo ia aceitavelmente bem até que a vida tratou de desacomodar.

 

Querido diagnóstico

Como passei de carnívora e conformada para a pessoa que está escrevendo esse texto sobre vegetarianismo?

Eu saí da zona de conforto. Mas não saí da zona de conforto linda, maravilhosa por livre e espontânea vontade, nãozinho. Eu fui literalmente arrancada da zona de conforto quando descobri que tinha intolerância à lactose. Peguei o exame e mal podia acreditar. Meu corpo estava rejeitando aquilo pro meu próprio bem. Fiz um luto de leite (pode rir) onde sair pra comer não tinha a menor graça e o brigadeiro parceiro tinha virado vilão. As idas aos restaurantes se resumiram à: moço esse negócio aqui tem leite? Não dava pra continuar assim: queda de cabelo; cólicas terríveis e indisposição total. Após a minha resistência sem sucesso resolvi finalmente dar adeus ao leite e seus derivados. Em pouco menos de um ano livre do leite, soube que a carne também estava fazendo hora extra na minha vida.

 

Como me despedi da carne?

Fiz a fina e parei de comer carne discretamente, sem anunciar pois tinha receio de não dar conta da decisão. Primeiro foi a carne vermelha em seguida frango e por fim o peixe. Esse momento de descoberta foi incrível. Cozinhava um prato diferente por dia. Ir à feira virou evento. Junto com os novos sabores vieram as novas perspectivas. Quanto mais eu me conhecia, mais me enxergava como vegetariana. Nesta altura aprendi muito com todas as informações que busquei. Também assisti a diversos documentários sobre vegetarianismo e veganismo. Não pude mais evitar a perversa realidade do agronegócio e o sofrimento dos animais. Neste momento eu compreendi que a decisão de não consumir carne e outros produtos de origem animal não estava mais ligada ao meu bem estar. Quando finalmente reconheci que não se tratava de mim e sim dos animais, firmei a decisão. Finalmente o desejo de consumir carne desapareceu junto com as últimas hesitações.  

 

Por que não vegana?

Esse tópico é muito importante e é muito bom poder falar sobre. Apesar de a minha alimentação ser vegana, SER vegano vai muito além disso. Eu sou apaixonada pelos pratos veganos e culinária vegana em geral. Mas, lembre-se sempre: Veganismo não é dieta. Em outras palavras, ser vegano é sobre o que você come TAMBÉM, mas essa é só uma parte da história. Eu jamais poderia dizer que sou vegana pois ~ ainda ~ utilizo cosméticos sem ter a certeza de que não são testados em animais e atualmente tenho uma bota e um cinto de procedência duvidosa, não tenho certeza se são de couro.

Existem muitos produtos que exploram e lucram em cima da vida dos animais, e você se torna uma espécie de detetive quando resolve romper com a crueldade. Muitos destes produtos vão além dos comestíveis, como citei antes são: cosméticos em geral; roupas; calçados; acessórios; móveis, medicamentos etc. Algumas marcas inclusive terceirizam o teste em animais para ter o selo vegan, SIM, isso acontece. Eu confesso que não me apego muito aos rótulos e nomenclaturas. Resumidamente, amo os animais e estou cada vez mais ligada nos produtos veganos (de todos os departamentos). E em respeito à todos os meus amigos veganos e à toda comunidade vegana, os quais mantém discurso e prática lindamente alinhados digo que sou uma vegetariana estrita aprendendo e melhorando!

 

E você? Vegetariano, vegano, curioso? Deixe um comentário abaixo e divida com a gente sua história!

Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos <3

Compartilhar este post:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *